sexta-feira, abril 29, 2011

Visita

Um anjo visitou-me. Disse que eu poderia fazer-lhe um pedido. Teria que ser algo que estivesse fazendo muita falta em meus dias. 
Pensei, pensei e pensei. Finalmente, disse-lhe:
- Quero ser livre! Dá-me asas! 
O anjo assentiu, e pronunciou com sua voz eminente:
- Usa tuas asas com cuidado. Não deixe que tentem quebrá-las, e se tentarem, voe o mais alto que puder. Só não permita que as quebrem! 
Logo, um par de asas começou a brotar em minhas costas. Eram tão brancas quanto a neve. Fortes e imponentes.
O anjo estendeu-me um livro completamente puro. Todas as páginas em branco.
- Tome isto, servirá-lhe de proteção para os males que venham a assolar-te. 
Atônita, não entendi a finalidade daquilo. Foi quando o ser celestial esclareceu-me:
- Escreva neste livros todos os seus medos, guarde junto ao peito, pois com o passar do tempo, o seu coração irá apagá-los e escreverá um novo roteiro para a sua vida, ajudando-lhe a guiar as suas asas com sabedoria. 




quinta-feira, abril 28, 2011

Orgulho primitivo

Não dar o braço a torcer
Quebrá-lo de repente
Pedir uma mãozinha 
Admitir o erro
Ceder um sorriso
Sentir um abraço
Reconhecer as imperfeições 
Tomar algumas doses de juízo
Respirar fundo
Erguer a cabeça
Seguir em frente. 



*Se um dia eu pudesse ver

Meu passado inteiro
E fizesse parar de chover
Nos primeiros erros
Meu corpo viraria sol
Minha mente viraria sol
Mas só chove, chove

Chove, chove*


segunda-feira, abril 18, 2011

Humor, chuva e teclas.

Não tenho diário, mas sim um blog, então lá vamos nós. 


O dia não começou bem, acordei super atrasada, e logo me veio um mau humor súbito. Tomei um banho gelado, num dia gelado, catei mp3, mochila e chave, desci as escadas ao pulos para não perder o ônibus. Consegui pegá-lo, mas sentei ao lado de um infeliz que ouvia música no seu celular com o volume máximo. Eu, que já estava de mau humor, pensei em enfiar aquele celular goela abaixo do garoto e voltar pro meu lugar como se nada estivesse acontecido, mas calma, foi só um pensamento. Aumentei o volume do meu mp3, aí pude ouvir a voz do Dylan com mais precisão. Cheguei no colégio em silêncio, sem mais, e a Mi que me conhece muito bem, logo descobriu que o meu dia não havia começado nada bem. Tivemos duas aulas de Filosofia, que valeram muito apena, e conseguiram me tirar daquele tédio infortúnio. Revi alguns amigos, divagamos assuntos corriqueiros, e já satisfeita com aquela manhã, peguei o ônibus e voltei para casa. 
Tênis pra um lado, mochila pro outro, camisa na cabeceira. Joguei-me na cama. Querendo, fiquei pensando em alguns assuntos "pendentes" em minha vida, coisas que poderiam ser mais simples, outras que nem tanto, ou talvez seja eu que as complique. Bem, tentarei resolve-las em breve dias, prometi a mim mesma. 
Sem fome, resolvi assistir um, dos 5 filmes que tenho acumulados no pc, e para melhorar, começou a chover! A chuva fazendo barulhinho no telhado, o clima confortável, um bom filme, café e nada mais. Foram suficientes para mudar o meu estado para o melhor sossego. 
Agora já é noite, não sei o que fazer além de escrever. Então aqui está este post, um dia meu talvez. 

Quem garante
Que seguindo adiante eu possa enfim viver?
Sem me comparar
Sem entristecer
Sem tentar mudar
Sem poder entender.
Não dá.
Eu vou ter que sair pra poder voltar.                                                                                                                                                                                                                                                                     

Tiê - Perto e Distante

sábado, abril 16, 2011

E agora?

E agora vem você
Com esse jeito
Feito
Sob medida pra mim



segunda-feira, abril 11, 2011

Retalhos de acordes

Já que não te tenho por perto
Eu vou tomar um sorvete

Para alegrar o meu dia
Nesse lugar
A noite é tão linda
E eu vou ficar.
É bom ser menina
Na varanda, na varanda...


Já é tarde, vou me embora
Antes que eu perca a cabeça
E desista da demora em te esperar







Enquanto o sono é pouco e o sonho é bom
Eu entendo essa canção

Você que como um anjo ensina ao respirar
Desse jeito mansinho e halito doce
Entregue



Mas se não me levantar e escrever
De manhã não vou lembrar, eu sei.





O seguinte é este: Uma manhã de segunda feira, prevejo uma semana conturbada. Liguei o pc e comecei a ouvir a Tiê. Todas as músicas me pareceram muito boas, em cada acorde e palavras entoadas. Agradando-me então, resolvi fazer algo novo aqui no blog: juntei trechos de algumas músicas da Tiê e formei um texto, e não me importa a coerência. 

(baixe algumas canções da Tiê aqui)

sexta-feira, abril 08, 2011

Presente

O que ela tanto queria era um presente. 
Algo simples, sensível e que brilhasse de uma maneira ímpar.
Procurou tanto, quando finalmente encontrou. 
E o melhor, esse presente chama-lhe pelo nome. Da maneira que ela adora. 
Até compartilham sorrisos! E as vezes, se entendem com um pequeno gesto.
Quando se abraçam podem sentir as veias e artérias de ambos aquecendo-se. 
Agora, a unica preocupação dessa garota é que o tempo não passe tão depressa.
E que os dias futuros não sejam indiferentes. 
            



Her hair reminds me of a warm safe place
Where as a child I'd hide
And pray for the thunder and the rain
To quietly pass me by 
Ohh! Sweet child o' mine

sábado, abril 02, 2011

Clean

Os cílios funcionam como enormes barreiras de contenção para aquelas lágrimas que insistem e persistem em descer por seus olhos, deixando um rastro na sua face. Tal rastro que com o passar do tempo, vai amadurecendo o pomo da certeza que há dentro do ser, logo, aquelas lágrimas que costumavam doer e deixar marcas quando emanavam dos olhos, naturalmente, tornaram-se necessárias para limpar a alma das dores que as palavras não conseguiam expulsar. 
Acredito que, os anos nos tornam mais fortes. E as vezes, imortais.